22/09

SÉRIE: INICIAÇÃO CIENTÍFICA E GESTÃO AMBIENTAL: UNIÃO QUE DÁ CERTO – II

Alunos do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da FATEC Jundiaí  desenvolvem projetos de Iniciação Científica e em parceria com a Agência de Inovação do Centro Paula Souza

            Orientados pela professora Ana Carolina Barros De Gennaro Veredas, alunos do Curso de Gestão Ambiental desenvolveram e desenvolvem projetos de Iniciação Científica e de aprovação da Agência de Inovação do Centro Paula Souza, sobre prevenção de impactos no uso de agrotóxicos (que será tratado nesta matéria), utilização do biogás como forma geradora de energia elétrica e análise de possíveis melhorias ao perímetro da Fatec e suas áreas adjacentes em termos de eficiência energética e mobilidade urbana.

            O projeto “REALIZAÇÃO DE UM DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ÁREA RURAL: com elaboração de um plano de gerenciamento de resíduos e iniciativa de educação ambiental”, desenvolvido pelas alunas Samara Krieger e Leticia Rossini, que está cursando Mestrado no IAC, formadas em 2014, tinha por objetivo elaborar um diagnóstico ambiental e fornecer subsídios à futuros estudos de prevenção, a respeito dos impactos causados pelo uso de agrotóxicos, tanto para as pessoas que o utilizam, quanto para o ambiente em que são utilizados, além de gerar iniciativas de educação ambiental, como palestras expositivas ao público-alvo e a elaboração de um “Manual Orientativo”, com a correta tratativa dos resíduos, assim como os cuidados e EPI’s necessários em cada atividade no campo.

Segundo a professora, “(...) os estudos que apontam um enorme contingente de trabalhadores expostos e os impactos causados pelas atividades agrícolas, é um estímulo para a investigação, e, no Brasil, ainda há um vasto campo para se desenvolver”. Para que os objetivos fossem alcançados, foi selecionada uma propriedade rural na cidade de Jundiaí, que oferecia as condições ideais para a análise: acesso permitido às alunas e à professora, trabalhadores registrados, incentivo ao uso correto de EPI’s e defensivos, entre outros; e para a elaboração do diagnóstico, foram aplicados questionários e levados em consideração informações, hábitos e comportamento do público-alvo.

            “O diagnóstico foi estruturado com dados e informações sobre o perfil da área de estudo, além da avaliação in loco e registro fotográfico. Foi fundamental entender a situação dos resíduos sólidos gerados na respectiva área quanto à origem, características, formas e disposições finais adotadas, bem como expectativas e aceitação de mudanças comportamentais e de procedimentos”, afirma a professora.

            Os resultados obtidos a partir deste projeto foram o levantamento de pontos positivos e negativos encontrados na propriedade rural, através da elaboração de uma matriz de impactos que sinalizou dezenove aspectos e impactos ambientais, como, por exemplo, armazenamento e manejo de defensivos, descarte de resíduos, sinalização da área pulverizada e procedimentos operacionais e em caso de acidentes, “Manual Orientativo”, propostas de soluções a curto e médio prazo, além de melhorias para o meio ambiente e para a propriedade rural.

“Conseguimos elencar 19 impactos e determinar para cada um pelo menos 1 ação de mitigação, que envolveram, de mudanças de hábitos e condutas, até ações de educação ambiental e elaboração de um manual orientativo, semelhante a uma instrução de trabalho. O mais interessante foi ver o interesse dos operadores em realizar as ações que sugerimos nestes documentos, a maioria sem custo, apenas aproveitando o que eles já tinham”, diz Letícia.

O interesse dos operadores pode ser comprovado pelo gráfico abaixo que mostra que as soluções apresentadas através da iniciativa de educação ambiental são viáveis e que estão dispostos a realizar as mudanças necessárias para o bom manejo dos defensivos agrícolas, caracterizando o diagnóstico ambiental como relevante estudo para área em questão .

 

 

O trabalho foi exposto na FETEPS (Feira Tecnológica – Centro Paula Souza) 2013, obtendo retorno positivo dos avaliadores e dos visitantes do evento.

            Sobre participar do Projeto de Iniciação Científica, afirmam: “foi relevante para o nosso currículo e experiência profissional, pudemos colocar em prática as disciplinas lecionadas durante o curso, o que, para mim, foi de grande valia, pois consegui enxergar a importância dessas disciplinas e como todas formam a visão de um gestor ambiental, como todas se relacionam e se complementam. Acredito que a Iniciação Científica é muito importante para aqueles alunos que querem experimentar a carreira acadêmica” (Samara); “foi gratificante, principalmente por ter sido a primeira turma de iniciação e porque para o currículo acadêmico e científico participar de uma iniciação científica agrega pontos” (Letícia).

As alunas agradecem à professora Ana Carolina “que nos fez o convite de participar da Iniciação Científica e acreditou no nosso potencial, incentivando a nossa participação em feiras e a elaboração de artigos, ou seja, conduziu nossa iniciação para além de um projeto, para resultados e a todos aqueles que direta ou indiretamente nos apoiaram para realização desse projeto, incluindo a Fatec Jundiaí e os responsáveis pela propriedade rural que abriram as portas para nossos estudos”.            

 

 

 

 

 

Desenvolvido pelo aluno do curso ADS Marcelo Roman Junior Fatec Jundiaí - Todos os Direitos Reservados © 2016                                Atualizações Prof. Rafael Gross